fev 19, 2021

X Morreu

X morreu, viva o X, (qual D. Dinis!) quem morreu foi um professor; mãe e pai de todos os ofícios. O toque do sino não engana e dobra a finados. Foi num belo dia de tranquilidade solarenga, a chuva tinha dado tréguas e havia uma fila de sonhadores a comprar a Bola e a jogar no Euromilhões. Ouve-se perguntar por um transeunte: - Quem finou? Com uma voz rouca, a pele já muito gasta pela dureza da idade e uma evidente tristeza no olhar, o ti Sagaz respondeu: - Foi o professor… Em dois dias, o Covid...

Ler Mais
abr 30, 2020

Sinais dos tempos

Já fui feliz e não sabia, pelo menos não tão bem como agora!Às vezes precisamos de um abanão na vida, mas este foi um abanão coletivo.Tenho saudades da normalidade, dos amigos, dos beijos e abraços… mas o “normal” é um termo complexo. A crise poderá ser a oportunidade para inventarmos um novo normal, um novo paradigma de relações humanas. É urgente redefinirmos a nossa hierarquia de valores. Acredito que uma autopoiese será inevitável.Não existe nada melhor do que a fome para se dar valor ao pão...

Ler Mais

Categorias